Review – The Elder Scrolls Online: Wolfhunter

Entre as centenas de quests presentes nos jogos da série The Elder Scrolls, as que eu mais gosto de fazer são as que envolvem os Daedric Princes, visto que se tratam de entidades extremamente poderosas que podem influenciar os mortais de forma direta ou indireta a qualquer momento, e nem sempre com as melhores intenções. Muitos jogadores devem associar os Daedric Princes com as quests presentes em The Elder Scrolls V: Skyrim, onde o Dragonborn interage com as entidades, resultando na obtenção de um de seus artefatos, porém eles não influenciam na história do jogo diretamente – com exceção da DLC Dragonborn, onde Hermaeus Mora, Daedric Prince do Conhecimento e da Memória, é parte essencial de sua trama, fazendo com que o jogador interaja com ele e vá ao seu reino conforme a história progride.

The Elder Scrolls Online trouxe interações com essas entidades, tanto que a main quest do jogo tem Molag Bal, Daedric Prince da Dominação e Escravidão e Deus dos Esquemas, como o principal antagonista. Porém, a nova DLC do jogo, Wolfhunter, tem como foco Hircine, o Daedric Prince da Caça, do Esporte, da Grande Caçada e da Perseguição, além de ser pai/criador dos lobisomens. A expansão não traz a mecânica da licantropia para o jogo ou é a primeira vez que os lobisomens aparecem ele, pois já havia quests em que o jogador enfrenta lobisomens e há a possibilidade de se tornar um, porém trazer desafios envolvendo Hircine para os jogadores, que aprecia um bom “jogo”, adicionou um conteúdo muito prazeroso e excitante para os jogadores.

Antes de tudo, é importante informar que Wolfhunter se trata de uma DLC baseada em dungeons, ou seja, ela adiciona novas dungerons para os jogadores desafiarem com o objetivo de evoluir seus personagens e conseguir novos itens, portanto não pule nessa expansão esperando uma narrativa profunda e complicada sobre um grande fenômeno ocorrendo em Tamriel envolvendo Hircine. Isso não quer dizer que as dungeons adicionadas em Wolfhunter simplesmente existem para os jogadores entrarem nelas, matar tudo que se move, pegar tudo dentro dos baús convenientemente colocados lá e ir embora com as recompensas, afinal estamos falando de um jogo da série The Elder Scrolls, de uma forma ou de outra há uma mini narrativa presente nela, que possibilita um pouco de role-play.

A extensão veio no patch de atualização 19, que também adicionou ao jogo base:

  • Um novo mapa de Battlegrounds: o Istirus Outpost
  • Um sistema Respec 2.0 atualizado
  • Melhorias na skill line dos Lobisomens
  • Uma série de novas adições e recompensas para PvP

A compra de Wolfhunter adiciona duas novas dungeons – a Moon Hunter Keep e a March of Sacrifices – dando acesso a novos itens e equipamentos aos jogadores que as completarem.

Para aqueles que gostam de gostam de adicionar itens colecionáveis e/ou acumular mascotes, há a opção de comprar a Wolfhunter Collector’s Bundle, que além da DLC, inclui a exclusiva montaria Silver Dawn Argent Charger, o mascote Silver Daenian Werewolf Tracker e cinco Pergaminhos de Experiência Crown.

 

 

 

Moon Hunter Keep

 

 

Essa dungeon está localizada em Valenwood na região de Reaper’s March. Ela se passa no quartel-general da Order of the Silver Dawn (Ordem do Amanhecer Prateado), uma organização de caçadores de lobisomens, que foi destruída por uma matilha de lobisomens, cujo o líder está reunindo um exército de homens-bestas. Visto que a organização cujo o seu propósito é enfrentar lobisomens foram derrotados pelas criaturas que eles, teoricamente, são especialistas em exterminar, cabe a um grupo de forasteiros impedir que os planos do lobisomem ancião Vykosa, o líder do grupo, se concretize e a ameaça seja neutralizada.

Moon Hunter Keep é uma dungeon de grupo, precisando de quatro pessoas para ser realizada, e mesmo assim ela se mostra desafiadora por conta do número de inimigos presente nela e pela quantidade de chefes disponíveis para enfrentar. Para enfrentar tal desafio, é necessário ter um grupo bem organizado e balanceado, portanto não adianta entrar nessa dungeon sem ninguém para tankar ou curar, pois, na melhor hipótese, a experiência vai acabar sendo muito mais frustrante do que divertida.

A premissa da mini narrativa presente na dungeon é bem simples e o objetivo dela é bem direto, porém isso não a desmerece ou a deixa menos divertida. Caso você e seus amigos queiram se juntar para matar lobisomens indiscriminadamente e conseguir os sets de armaduras que podem ser adquiridos nela – Moon Hunter set (light armor), Savage Werewolf set (Medium Armor), Jailer’s Tenacity set (heavy armor), Vykosa set (Monster Helm Sets) -, que podem complementar bem a build de seu personagem, além de deixar ele bem estiloso, desafiar a Moon Hunter Keep é uma boa atividade de grupo.

 

 

March of Sacrifices

 

 

Apesar da entrada dessa dungeon estar localizada na região de Greenshade em Valenwood, ela se passa no reino de Hircine, o Hunting Grounds (Campos de Caça). Nessa dungeon, os jogadores tomam parte da Grande Caçada (The Great Hunt) de Hircine, se tornando parte do jogo de caçador e de presa nos domínios do Daedric Prince. Esse elemento da mitologia de The Elder Scrolls faz com que March of Sacrifices seja um agrado aos jogadores que curtem a lore da série, pois traz de volta algo que só vimos em uma expansão do terceiro jogo – The Elder Scrolls III: Morrowind -, a Bloodmoon.

March of Sacrifices também uma dungeon de grupo com até quatro jogadores, necessitando também que ele seja equilibrado, dado que novamente o número de inimigos e chefes é elevado, se demonstrando um desafio para jogadores pouco experientes ou com um grupo “torto”. Justo ao tema “caçada” da dungeon, os jogadores recebem um bônus de Hircine se encontrarem e matarem Indriks dourados (monstros do jogo), que facilitam a batalha contra os outros inimigos presentes nela, que também estão participando da Grande Caçada.

Quando os jogadores encerram a Grande Caçada vitoriosos, eles recebem uma peça de um dos sets exclusivos da dungeon: Hanu’s Compassion (Light Armor), Blood Moon (Medium Armor), Haven of Ursus (Heavy Armor), ou Balorgh (Monster Helm Sets).

 

Vale a pena comprar Wolfhunter?

 

O visual das duas dungeons adicionadas ao jogo estão incríveis, principalmente a March of Sacrifices, além de serem muito divertidas de jogar. Os equipamentos exclusivos das dungeons são bem legais e podem complementar bem a build de seu personagem, além de serem bem estilosas. Para os jogadores que gostam de colecionar mascotes e montarias, o Collector’s Bundle da extensão pode se mostrar uma boa compra.

Por outro lado, como Wolfhunter se trata de uma DLC de dungeons, e elas precisam ser feitas em grupo, talvez não seja a melhor opção de compra para os jogadores solo. Portanto, aqueles que preferem jogar The Elder Scrolls Online sozinhos, as adições presentes na expansão podem acabar sendo pouco aproveitadas.

The Elder Scrolls Online: Wolfhunter é imperdível para os jogadores que gostam de jogar com seus amigos e/ou com sua guilda. Recomendo fortemente que os jogadores que tem um grupo adquiram a extensão e que os jogadores solitários a adquiram assim que encontrarem seu grupo.

 

Wolfhunter já está disponível mundialmente para PC, Mac, PlayStation 4, e Xbox One e pode ser adquirida pela Crown Store (loja de micro transações de ESO dentro do jogo) por 1,500 crowns, o Collector’s Bundle custa 4,000 crowns, e ela está inclusa na membership da ESO Plus.

 


Laura Giordani

Laura Giordani é uma historiadora e estudiosa de imagens e mídias viciada em jogos, filmes, HQs, livros, podcasts, RPG, animes e séries. Quando não está tentando desvendar os mistérios da História e sua relação com as novas mídias, ou tentando navegar pelo seu quarto debaixo de pilhas gigantes de livros, pode ser encontrada em um canto meio iluminado jogando algum título da série Final Fantasy, Diablo ou Pokemon. Seus interesses literários são vastos, porém há preferência pelos temas de fantasia, ficção científica, cyberpunk e terror. Suas mais notáveis habilidades são: ingerir dezenas de litros de cafeína sem ter um ataque cardíaco e tagarelar por horas sobre nerdices sem parar.


2012-2017 | Meia-Lua