Review – The Elder Scrolls Online: Summerset

The Elder Scrolls Online é definitivamente um jogo da série The Elder Scrolls. Isso ocorre não apenas por conta do jogo se apresentar dentro do mundo e da mitologia já estabelecida pela Bethesda, mas o trabalho que a ZeniMax Online Studios fez com que o jogo se apresentasse como tal. O sistema de evolução está, de certa forma, preso à classes e raças que são escolhidas no início do jogo, o que não permite que as habilidades possam flutuar ou se tornarem tão mistas como ocorre em The Elder Scrolls V: Skyrim, porém a árvore de habilidades do jogo é diversificada e permite personalização de suas mais diferentes habilidades de ataque, defesa e criação dependendo de onde a prioridade de sua build se encontra. Desde seu lançamento em 2014, The Elder Scrolls Online sofreu muitas mudanças e evoluiu muito, isso pode ser visto principalmente com a mais nova expansão, a The Elder Scrolls Online: Summerset.

Os fãs da série puderam visitar as Summerset Isles – lar dos Altmer ou High Elves – apenas em The Elder Scrolls: Arena, e agora eles receberam a oportunidade de explorá-la em sua melhor forma. As Summerset Isles deve ser o cenário mais bonito que eu já vi nos videogames, e sem dúvida o melhor que já esteve presente em um jogo da série The Elder Scrolls. As cores são brilhantes, mas não irritam os olhos, é muito difícil não parar tudo que está fazendo para simplesmente ficar admirando a vista enquanto aproveita a música do jogo. A capital, Alinor, é simplesmente de tirar o fôlego, sem dúvida ela foi construída para ser o símbolo de toda elegância – e prepotência – dos Altmer.

 

Cidade de Alinor

 

Uma coisa que eu gostei muito na forma como os cenários foram criados é que os prédios Altmer foram feitos para serem completamente diferentes dos outros já apresentados, demonstrando uma verdadeira diferença cultural não só no modo como eles se veem perante as outras raças, mas também no modo como eles veem a si mesmos. Além disso, foi feito um forte esforço para que as alturas ficassem distinguidas, não que tudo fosse uma planície ou uma pirâmide no jogo base e nas outras extensões, mas enquanto existiam as diferenças de alturas entre prédios, montes, montanhas, monumentos e muros nas outras expansões, tudo parecia ter sido construído como se uma linha tivesse sido traçada para definir a progressão e a altura máxima dos elementos do cenário. Tal coisa pouco ocorre em Summerset, há prédios e árvores muito mais altos que os outros e as árvores possuem diferentes alturas em um mesmo terreno sem parecer artificial.

 

 

A música é outro ponto de destaque nessa expansão. No geral, eu considero que a série The Elder Scrolls possui uma trilha sonora incrível – vide como exemplo os diversos covers e a popularidade da trilha sonora de Skyrim -, porém a música nas Summerset Isles tem algo de diferente quando comparada com as das outras regiões. Ela combina muito bem com o cenário embelezado criado para a região, mudando, por vezes, de forma sutil para que o jogador saiba quando a tensão ou o clima do local onde ele chegou é diferente. Música é um elemento importante nos jogos, mesmo que os jogadores não percebam como elas influenciam na jogabilidade, ela está lá, e é ela que nos diz quando devemos nos preparar para alguma coisa, mas também nos diz quando devemos simplesmente aproveitar o momento e admirar o mundo construído ao nosso redor. Esse papel foi muito bem cumprido nessa expansão, e como eu disse antes: é muito fácil simplesmente ficar parado e admirando o cenário e ouvindo a música – e talvez tirando milhares de screenshots – de tão bem construídos que esses dois fatores foram.

Os novos desafios adicionados para os jogadores são: a raid de Cloudrest, onde os jogadores fazem parte de uma operação para tomar a cidade de volta; e os Abyssal Geysers, um desafio em grupo espalhado por toda Summerset. Ambos os desafios estão disponíveis para serem repetidos e fornecem itens raros como recompensa. A diferença entre os dois desafios é simples: Cloudrest possui uma localização fixa na cidade do mesmo nome – base dos Welkynar Gryphon Knights, os protetores de Summerset – e se trata de uma raid que deve ser feita em grupo, portanto jogadores que preferem jogar sozinhos podem perder a oportunidade de fazer esse desafio e pegar suas recompensas; enquanto os Abyssal Geysers aparecem aleatoriamente no mapa, chamando a atenção de todos os jogadores da região, que correm para fazer parte da batalha e conseguir seus itens.

 

Aparição de um Abyssal Geyser no mapa

 

Na questão das habilidades, temos duas adições: A criação de acessórios e a árvore de habilidades da Psijic Order.

A criação e personalização de acessórios é um elemento tão importante quanto o de armas e armaduras na construção da build de seu personagem em um RPG que eu nem sei porque ele foi adicionado apenas agora em The Elder Scrolls Online. Os atributos fornecidos pelo anel ou colar criados são definidos pelo trait – “peculiaridade” ou “traço” – atribuído a eles quando criados, que podem dar mais ataque, defesa, stamina, mana, vida, etc. e é complementado pelo encantamento – enchanting – desejado. Considerando que são três itens para complementação de seus atributos e build, pode-se notar da importância das joias usadas pelo seu personagem. Apesar de importante, o processo de criação dos acessórios pode ser muito extenso, cansativo e com poucos resultados depois de muito trabalho. O modo para aprender as traits para poder criar itens se dá quando se estuda elas em um item que foi encontrado ou comprado, e os itens para criar e dar essas traits são difíceis de encontrar e o tempo de estudo delas não depende do jogador. Esses obstáculos podem ser vistos como frustrantes para os jogadores que não tem a disponibilidade de tempo e paciência investir diversas horas juntando itens e materiais, problema que afeta jogadores novos e veteranos.

A Psijic Order é uma facção já conhecida pelos jogadores de The Elder Scrolls, ela foi mencionada diversas vezes em seus jogos, fazendo aparição como parte da quest line da College of Winterhold em Skyrim, porém nunca tivemos a chance de visita-la ou de realmente saber como ela opera. Agora, temos a oportunidade de fazer parte da facção após completar a primeira main quest expansão, a “The Queen’s Decree”, liberando uma nova skill line para o jogador. As habilidades liberadas são, acima de tudo, divertidas, pois fornecem coisas como controle do tempo e a possibilidade de encantar suas armas com magia. Não estou brincando a respeito do controle do tempo: habilidades como Time Stop, que faz com que seus adversários literalmente fiquem congelados no tempo e depois ficam tontos, e Accelerate que faz com que o tempo se dobre ao seu redor e aumente seu dano crítico e velocidade de movimento. Essas duas não são nada comparadas à habilidade Undo, a ultimate ability dessa skill line, que faz com que você volte 4 segundos no tempo, reparando a posição, vida, stamina e mana do jogador. Novamente, o problema dessa skill line é a progressão dela. Para receber os pontos de experiência necessários para evoluir suas habilidades é preciso completar missões para a Psijic Order, que envolve viajar por toda Tamriel fechando distorções. Pode-se ver como isso é um problema para os jogadores mais novos que ainda não liberaram os pontos de fast travels pelas regiões, fazendo com que elas se tornem muito extensas e consumidoras de tempo, por vezes te desviando das outras missões que estão acumuladas. Porém, isso não deve ser um problema caso queira, ou não se importe, em explorar toda Tamriel.

Por fim, vamos ao tema que todos nós amados: a história!

Graças ao decreto da Rainha Ayrenn, as Summerset Isles finalmente se abriram para visitantes e imigrantes, sendo a primeira vez que tal coisa acontece na história de Tamriel – lembrando que os eventos de The Elder Scrolls Online acontecem durante a Segunda Era, mais ou menos 700 anos antes dos eventos de The Elder Scrolls: Arena, quando os jogadores visitaram o lar dos Altmers pela primeira vez. A decisão não agradou todos, pois, como todos os fãs de The Elder Scrolls sabem, os Altmers são mais do que apenas uma cultura isolada, eles são sem dúvida o povo mais racista, elitista e prepotente de toda Tamriel, considerando-se a raça superior. Considerando isso, pode-se imaginar que a decisão da Rainha de abrir as fronteiras de seu lar e formar o Aldemeri Dominion com os Bosmers de Valenwood e os Khajiit de Elsweyr não foi uma decisão popular, mesmo com os Altmers tomando a posição como líderes da aliança, já que isso foi visto como um ato de “elevar” essas raças ao nível dos Altmers. Com isso, há uma facção que pretende matar ou destronar a Rainha para reestabelecer a superioridade Altmer, resultando em uma quest line que, no melhor estilo The Elder Scrolls, cabe ao jogador se mostrar mais competente do que as ditas “autoridades competentes” – algo que eu achei muito engraçado, visto que a política dos Altmers é baseada na burocracia, organização e eficiência e se mostra, como todos os outros governos em The Elder Scrolls, tão incompetentes quanto qualquer um -, assegurando a segurança e o reino da Rainha Ayrenn.

Mas as tramas políticas não são o único foco de Summerset, pois como o seu trailer cinemático mostra, há três Daedric Princes (ou Príncipes Daédricos) se aproveitando do caos e ambição dos mortais causados pela guerra e pelos eventos recentes para expandirem seus domínios em Tamriel, tal como vimos no trailer da expansão e tivemos como identificar que esses príncipes eram: Clavicus Vile, Mephala e Nocturnal. Essas tramas políticas possuem conexão com os príncipes, pois uma parte dos opositores da Rainha fizeram tratados com eles na tentativa de tirá-la do poder, ou os príncipes buscam aprender os segredos da Psijic Order e usam dos mortais para tal, causando ataques de estranhas criaturas no território das Summerset Isles. O papel do jogador nessa quest line é: descobrir a origem dessas criaturas, defender os cidadãos nativos e estrangeiros das Summerset Isles, e eliminar essa ameaça. Tudo isso em nome da Rainha.

O envolvimento de Daedric Princes na política e na ambição dos mortais de Tamriel não é novidade, pois são seres que se aproveitam dos desejos e ambições dos mortais para expandir seus domínios e poderes, mas para entender melhor a ambientação e o papel dos príncipes nessa história é recomendável que o jogador faça a quest “Through a Veil Darkly”, que serve de prólogo para os eventos de Summerset. Para adquirir ela, basta ir até o Crown Shop no seu menu de jogador dentro do jogo e adquirir o item Mage’s Message Stone. Não se preocupe, apesar de estar dentro da loja de micro-transações, o item é gratuito. Uma vez que o item é usado, você é direcionado para a Guilda dos Magos mais próxima de seu personagem, independentemente de onde você se encontra em Tamriel, a quest inclusive fornece meios para você se deslocar para os locais que os eventos se desenvolvem e te deixam no território das Summerset Isles.

A história desenvolvida para Summerset possui ligação com as das outras DLCs, porém não é necessário ter jogado as anteriores para poder entender os novos eventos. Caso você seja um jogador novo, que deseja começar sua aventura em The Elder Scrolls Online com um Altmer, você não precisa correr atrás das outras tramas desenvolvidas anteriormente para se ambientar.

 

Vale a pena comprar Summerset?

 

Caso seja um jogador novo ou veterano, Summerset é uma expansão imperdível em The Elder Scrolls Online por conta de suas novas mecânicas, desafios, história e possibilidades de exploração.

Minha recomendação para aproveitar e conhecer as Sumemrset Isles é criar um personagem Altmer, assim você pode aproveitar a nova área e desenvolver as novas skill lines e mecânicas explorando o cenário mais bonito criado até então para o jogo.

 

 

The Elder Scrolls Online: Summerset está disponível mundialmente para PC, Mac, PlayStation 4, e Xbox One desde 05 de Junho de 2018.


Laura Giordani

Laura Giordani é uma historiadora e estudiosa de imagens e mídias viciada em jogos, filmes, HQs, livros, podcasts, RPG, animes e séries. Quando não está tentando desvendar os mistérios da História e sua relação com as novas mídias, ou tentando navegar pelo seu quarto debaixo de pilhas gigantes de livros, pode ser encontrada em um canto meio iluminado jogando algum título da série Final Fantasy, Diablo ou Pokemon. Seus interesses literários são vastos, porém há preferência pelos temas de fantasia, ficção científica, cyberpunk e terror. Suas mais notáveis habilidades são: ingerir dezenas de litros de cafeína sem ter um ataque cardíaco e tagarelar por horas sobre nerdices sem parar.


2012-2017 | Meia-Lua