Review – The Awesome Adventures of Captain Spirit

Uma aventura no universo de Life Is Strange

A Square Enix pegou todos de surpresa nesta E3 2018 ao anunciar, primeiro na conferência da Microsoft e depois na sua própria, The Awesome Adventures of Captain Spirit, título que traz novamente a DONTNOD Entertainment fazendo o que faz de melhor: aprimorando ainda mais o universo de Life Is Strange. O jogo estava previsto para hoje (26), mas fomos pegos de surpresa novamente quando no fim da semana o jogo foi antecipado para a última segunda-feira (ontem, 25). Promessa cumprida.

Do que se trata?

The Awesome Adventures of Captain Spirit é uma demonstração do universo de Life is Strange, que contém ligações com a nova história e o novo cenário de Life is Strange 2. Você controla Chris, um adorável garoto de 9 anos como qualquer outro, que sonha em ser um super-herói. Ele adora seus brinquedos e, graças à sua grande imaginação, vive todo tipo de aventura. No entanto, tudo isso é apenas a ponta de um iceberg que, conhecendo a DONTNOD, esconde muitos mistérios e emoções.

Gráficos e jogabilidade

O belíssimo visual  em tons de aquarela não só se mantém, como está ainda melhor graças à mudança da Unreal Engine 3 para a Unreal Engine 4 – que provavelmente também será utilizada em Life Is Strange 2 – , entregando uma verdadeira pintura. Porém, assim como nos jogos anteriores, parece que a maior parte da atenção na animação dos personagens acaba se voltando para o protagonista, criando um paralelo estranho, mas que não incomoda. O cenário, por outro lado, segue impecável. É possível ver a trilha que Chris deixa na espessa camada de neve no quintal, contemplar a bela paisagem gelada de Beaver Creek (Oregon), etc.

 

Já no quesito gameplay, a melhoria é ainda mais perceptível, com mais opções de interação, customização e uma UI (User Interface) ainda mais intuitiva. Puzzles também estão presentes no escopo do jogo, em que o jogador deve quebrar a cabeça e fazer backtracking diversas vezes – seja para procurar um determinado código ou item necessário – se quiser cumprir todos os objetivos presentes no jogo.

 

Quem nunca sonhou em ser um super-herói?

No controle de Chris – e de seu alter-ego Captain Spirit – , o jogador se limita a explorar e brincar em sua casa e quintal, em uma aventura criada por ele mesmo. Mas não se deixe enganar: o espaço a ser explorado nesta ‘demo’ pode parecer limitado, mas a imaginação de Chris dá margens para uma experiência quase que sem limites. Explico: Se no primeiro Life Is Strange a principal mecânica de jogabilidade era o poder de rebobinar o tempo de Max, e em Before The Storm tínhamos as batalhas verbais de Chloe, aqui o destaque fica por conta dos ‘poderes’ do próprio Captain Spirit. Pelo menos na imaginação de Chris, é claro. Ou será que não? Enquanto se vê como um super-herói, cabe a você, jogador, auxiliar o garoto Chris a enfrentar vilões e obstáculos de uma vida extraordinária – em uma metáfora narrativa muito bem elaborada. A mão direita do garoto controla os elementos ordinários da aventura, enquanto fica a cargo do Captain Spirit, na forma de sua mão esquerda, intervir com seus ‘super poderes’.

 

E assim, numa viagem espetacular à nossa própria infância, é possível acompanhar Chris transformando situações mundanas do dia-a-dia em eventos extraordinários. Por exemplo, um simples boneco de neve no quintal se torna o temível vilão Gelomante, e cabe ao herói destruí-lo; A neve acumulada na entrada da casa é mais um teste de seus feitos heroicos, bem como pilhas de entulhos que se tornam verdadeiros labirintos que escondem um tesouro e o temível aquecedor de água no porão escuro que vira um monstro. Enfim, é fácil ver uma versão mais jovem e inocente de si mesmo em Chris, e lembrar como a infância era mais fácil e divertida do que a vida hoje em dia. Mas não se esqueça, este é um jogo das mesmas pessoas que trouxeram Life Is Strange, e se há uma lição aprendida nos jogos anteriores da série é que toda felicidade e ternura escondem uma carga emocional pesadíssima. E aqui não é diferente. Não entraremos em spoilers, mas a reflexão é clara até sem ter jogado: a grande imaginação de Chris e seu alter-ego existem por acaso. Não precisa ser psicólogo para saber que há ali uma poderosa válvula de escape de uma vida que, definitivamente não é nada fácil, nem para Chris, nem para seu pai.

 

A trilha sonora também é um ponto a se destacar aqui. Seguindo o ritmo dos jogos anteriores, a escolha foi, novamente, por músicas licenciadas de artistas independentes, escolha que acerta em cheio no tom intimista e no clima emocional do jogo. O título possui apenas duas faixas licenciadas, mas não é nada difícil perder a noção do tempo enquanto as ouve, em uma sessão relaxante e reconfortante.

No final das contas, The Awesome Adventures of Captain Spirit é uma experiência tocante, que ao tratar de infância e questões familiares bem reais, promete arrancar sorrisos, nostalgia e muita emoção do jogador – e cumpre magistralmente – , goste de Life Is Strange ou não. A diferença aqui é que, para quem já é fã da série de jogos da DONTNOD, há uma conexão direta com Life Is Strange 2, principalmente se levar em consideração o final do jogo que dá o tom da sequência – que chega em Setembro.

Captain Spirit está disponível gratuitamente para PS4, Xbox One e PC/Steam.


Thiago Moreira

Apaixonado por videogames desde que se entende por gente, adentrou o mundo dos jogos eletrônicos ainda quando criança, através do saudoso NES, que lhe apresentou Mega Man, por quem nutre uma gratidão enorme. Tem como jogo favorito o sensacional Chrono Trigger, mas adora jogos no estilo Metroidvania e Souls Like, ainda que não seja dos melhores jogadores. Além de videogame, adora RPG, animes, mangás, quadrinhos e quase tudo que orbita a cultura geek em geral.


2012-2017 | Meia-Lua