Just Dance 2017 – Review

A Ubisoft tem diversas franquias grandes e tem longo histórico em mantê-las em alto nível, não seria diferente com Just Dance.

A edição de 2015 já haviam definido uma nova abordagem para o jogo, com a possibilidade de utilização de celulares como sensores de movimento ao invés do Kinect e da PSCam. Em 2016 alteraram a forma de aquisição e desbloqueio de músicas com a implementação do serviço Unlimited, que permitia aos jogadores pagarem mensalidades para liberar acesso há centenas de músicas, inclusive das músicas de edições anteriores do jogo.

A versão 2017, para jogadores casuais como eu, parece não ter novidades ou grandes mudanças e isso é um pouco perigoso para franquias anuais. Assim como as franquias de esporte, Just Dance passa, na edição 2017, a ter a mesma dor de cabeça: justificar o upgrade dos detentores das edições anteriores.

just_dance_2017_review_01

O gameplay parece muito próximo ao da versão 2016, ou seja, continua excelente. Aparentemente há um aprimoramento na identificação dos movimentos executados, mas para jogadores mais casuais isso não está afetando muito na pontuação.

Aquilo que pode justificar o upgrade são primariamente, as músicas novas e a adição de modos diferentes de jogo. Este segundo item pode não parecer tão atraente.

Novamente o jogo conta com o Dance Quest, modo no qual o jogador precisará dançar um conjunto de músicas que seguem um tema e precisará completá-las com boas pontuações para liberar outros conjuntos e desafio crescente.

just_dance_2017_review_02

Um modo novo que foi acrescentado é o Just Dance Machine, que seria o modo estória de Just Dance. Neste modo, uma nave alienígena que estava passando próxima à terra acaba ficando sem energia e eles identificam que a energia gerada com a dança será perfeita para reabastecer a nave.

O diferencial é que ao invés de dançar uma das músicas normais do jogo, você precisará executar passos de dança e alguns movimentos curiosos (como fazer air guitar) para gerar a energia necessária pelos alienígenas.

O jogo possui 38 estilos diferentes de passos e movimentos, sendo seis exclusivos para o Unlimited, a cada rodada, você deverá executar uma sequência de cinco passos, sendo a escolha deles aleatória.

De acordo com seu desempenho em cada uma das categorias será acumulada uma quantidade de energia, esta energia será contabilizada e definirá quantas categorias novas serão desbloqueadas, e a energia transferida aos alienígenas. Quando o contador marcar 100% o jogo terminará.

Ao jogar, conseguíamos cerca de 10% por rodada, portanto 10 rodadas para terminar o jogo e prepare-se, pois parece fácil, mas cansa bastante. Tivemos que dividir a jogatina em duas sessões.

Just Dance 2017 continua sendo uma grande experiência, divertidíssimo para jogar em encontros com amigos, a Ubisoft precisará apenas pensar em uma estratégia para a próxima edição possuir diferenciais suficientes que justifiquem o investimento daqueles que possuem a edição do ano anterior. Um modo estória mais interessante pode ser uma boa saída.

O jogo está disponível para Xbox One, PlayStation 4, WiiU e PC.


Renato Sevegnani

Formado em Ciências da Computação, por culpa dos jogos de computador e da BBS/internet, com especialização em qualidade de sistemas e atuando com certificação de sistemas de pagamento. Chato e coerente-incoerente. Profissional em começar jogos e livros e nunca terminar a maior parte deles. Prefere uma boa estória à qualidade gráfica, jogos por turno a tempo real. Acha que FPS tem que ser com mouse e teclado e que sensores de movimento são legais. Fã de dinossauros, Nintendo, cultura japonesa, cinema, zumbis, GURPS e Vampire. Quando lendo, prefere estórias fantásticas às com base no mundo real.


2012-2017 | Meia-Lua