INJUSTICE 2 – REVIEW

Há aproximadamente 4 anos após Injustice: Gods Among Us, chega Injustice 2. Este jogo, desenvolvido pela Netherrealm Studios e distribuído pela WB Games, é continuação direta do primeiro e é certamente melhor filme da DC que você nunca verá nos cinemas.

GamePlay

Injustice 2 (I2) possui um modo de história, multiplayer local, online, multiverso, Brother Eye Vault e um menu de extras (que contém as diversas opções de configuração do jogo). O modo de história leva o jogador pelo universo de I2 começando sua jornada no diretamente após os eventos de Injustice: Gods Among Us.

O modo multiplayer é reservado para disputas locais e o modo online para ranked – disputa competitiva em que quaisquer buffs e habilidades adicionais adquiridas são descartadas automaticamente – ou um PvP padrão (com todos os buffs e habilidades adquiridas).

Para os jogadores que curtem um modo Arcade, fiquem tranquilos, ele está no modo Multiverso. Este modo contém todos os modos singleplayer que o I2 oferece, sobrevivência, missões extras, etc. Completando as missões no multiverso você pode conseguir as caixas maternas (CM) ou mother boxes.

As CM podem ser de bronze, prata, ouro, platina ou diamante, cada uma oferecendo mais itens do que a outra e aumentando a chance de se conseguir um item épico. Esses itens (que vão de normais a épicos) alteram tanto os atributos dos personagens como sua aparência. Você ainda pode conseguir cores novas e habilidades, o que permite que seu Batman seja dificilmente igual ao meu.

I2 possui uma jogabilidade baseada em comandos simples e fáceis de executar, o que pretende agradar tanto os jogadores mais experientes quantos os novos adeptos do gênero.

De um modo geral, se você estiver com um controle e seu oponente estiver com um Arcade stick a disputa não será injusta. 

Assim como outros jogos desenvolvidos pela Netherrealm Studios, I2 traz combos pré-definidos que podem ser extrapolados em certos custom combos, desde que o jogador tenha intimidade com cancelamentos, wall e gound “bounce”, juggles etc…

Trazendo a mesma capacidade competitiva de Mortal Kombat XL, Injustice 2 possui personagens balanceados com algumas exceções, alguns nerfs certamente virão. Algumas das reclamações estão no fato de alguns personagens zoners possuírem wake-ups invencíveis, o que torna muitas vezes a batalha injusta.

Estética, efeitos sonoros, músicas…

Logo ao se iniciar o jogo a tela de menu já nos guia ao ambiente de I2 onde Batman acessa um supercomputador que “projeta” os menus na tela, ao fundo podemos ver a terra, o que deixa tudo muito coerente com o Brother Eye e com o multiverso.

Ao começar a campanha principal do jogo a primeira coisa que se nota é a beleza visual. A qualidade da expressão facial dos personagens impressiona e você certamente sentiu/sentirá um desconforto na cena em que a canário negro aparece sendo mentalmente controlada pelo Gorila Grodd.

 

Embora os cenários possuam muitos itens as imagens não ficam poluídas, a HUD do jogo é simples e bem explicativa, a ponto de exibir os valores dos pontos de vida dos personagens numericamente além da barra de vida padrão (só ligar a opção no menu).

Algo que certamente merece nota é a dublagem em português. Dando destaque ao dublador do Batman, que é o mesmo que dublou o Batman da série animada que passava no SBT pelas manhãs.

As músicas também não fazem feio. A trilha sonora muito bem trabalhada, que completa muito bem toda a atmosfera de I2.

Os efeitos sonoros são claros e transmitem muito bem as sensações de impacto, quedas, paredes quebrando, complementando assim as cenas de ação do jogo e aumentando a imersão.

 

Conclusão

Injustice 2 traz para a nova geração um jogo excelente, com muita coisa para fazer, gráficos impressionantes, qualidade de jogabilidade refinada sem a sensação de que estamos jogando Mortal Kombat com skin de heróis DC. Nesta continuação de Injustice: Gods Among Us, temos um jogo de personalidade formada e que provavelmente estará representando a WB Games e Netherrealm Studios na disputa entre os melhores jogos de luta.

por Alan Gerardi


Alan Gerardi

Formado em educação física, estuda atualmente Jogos Digitais na Universidade de Araraquara. Ingressou no “cyber mundo” dos vídeo games antes mesmo de aprender a escrever seu próprio nome, e tem os jogos como sua grande paixão. Viu o lançamento de jogos como DoubleDragon, Altered Beast, Street Fighter II e muitos outros. Assistia Street Fighter II V, Fly e Dragon Ball no SBT aos sábados de manhã.


2012-2017 | Meia-Lua